Devaneios da chuva

Olho para os livros
na prateleira do quarto
Livros que quero ler
e que não comecei,
os que comecei
e não acabei...
Os projectos sonhados,
semi-projectados
sem meio, nem fim.
E vejo que os sonhos,
projectos e livros
são iguais para mim.

Inverno é
interregno na vida
que se entranha e se instala
como se fosse ficar.
Daqui vejo o fundo
de luz de um futuro
que quero e me estico
para agarrar.

Viajo mas durmo
Penso e procuro
um meio de ir.
Mas se não me levanto
perco o impulso
e tendo a cair.

Tenho esperança,
Mas a chuva já cansa
tolda-me a vista,
esfria-me a mente.
Que ela é precisa
eu sei, ela é vida,
é riqueza da gente!

Mas no sol eu renasço,
por isso o que eu faço
é só esperar.
Melhores dias virão,
Menos escuridão e alegria no ar!

Se o calor vem então,
eu me levanto e inspiro,
Sorrio e respiro
e torno a acreditar.



Comentários

  1. Que lindo!
    Parabéns.
    É pena que não escreva com mais regularidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito Obrigada pelas palavras! Prometo que tentarei ser mais assídua na escrita do blogue! 😉

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Maio

Junho, Julho, Agosto...

O Outono e a Taça