Outono

O Outono chegou de mansinho, como eu tanto gosto. Uns dia frios, uns dias quentes... mas agora já ninguém dúvida. Ele está aí. As cores já mudaram, os cheiros também.

Na adega respira o vinho, um garrafão de 30 litros, foi quanto a vinha nos deu (fora as uvas que comemos e as que comeram os pássaros e as abelhas).

Na horta, o tomate cereja ainda prospera embora comece a ficar danificado com a chuva. E vou colhendo uma ou outra abóbora. Já se plantaram mais couves e brócolos, mas ainda há muito a fazer para preparar sementeiras e plantações.

Temos muita maçã bravo-esmolfe, reineta e figos, muitos figos. Marmelos a amadurecer, alguns já caídos, já comemos alguns assados e devo fazer a marmelada no próximo fim-de-semana!

A lenha está cortada e guardada e já acendemos a salamandra. O Outono está por aqui, e eu gosto!... Que se atrase o Inverno, sim? 




à volta do topo

Da ultima 3a feira.
Depois de um banho no Sabugueiro, um piquenique à sombra do castanheiro.
Uma subida à lagoa comprida, que eu nunca tinha visto sem estar gelada ou rodeada de neve. Passamos no magnífico Covão Cimeiro e na Senhora da Boa Estrela.
Parámos no Covão d`Ametade onde caminhamos um pouco mais subindo o curso do rio, agora seco.
O caminho para o Vale do Rossim, fez-se voltando para trás, pois o caminho que passa por Manteigas tem curvas a mais para meu gosto e os miúdos ainda queriam mais um mergulho antes de voltarmos a casa.

E assim passamos um dia de férias de Setembro, já com gosto de despedida, que as aulas estão aí, e o outono também há-de vir.

A pequena praia fluvial do Sabugueiro


 Bagas de Sabugueiro


Lagoa Comprida
 


Covão Cimeiro




 Senhora da Boa Estrela




O Vale Glaciar


Covão D`Ametade










 Nave de Santo António
 Torre

 Vale do Rossim


 










e não nos fartamos de... / We can´t get enough of...

...tomates cereja!!! (ou tomate cherry, que seja à vontade do freguês!)

Não temos mais de 6 plantas, mas as que temos produzem quilos e quilos todos os dias! Ontem o saco pesava cerca de 10 quilos! Comem-se à dentada, em salada, no pão e no prato todos os dias. Muitos já foram para o congelador... não faltará tomate cereja cozinhado no inverno! Isto ainda sem falar no tomate coração de boi (hummmm, o melhor de todos!), o chucha e ainda um redondinho cuja variedade não sei o nome.
                            ... Mas os cereja!!!...



... cherry tomatoes!!!


We dont have more than 6 plants, but the ones we have are producing kilos and kilos everyday! The bag yesterday heighted about 10kg! We eat them by byte, on salads, on bread and on the dish everyday. Plenty went to frizer already... We wont miss cherry tomatoes cooked during winter. And I am not even talking about "tomato bull`s heart" (yummy, the best of all!), "chucha" and another round one which variety name I dont know.
                             ... But the cherry tomatoes!!!...

a família cresce . family grows

A quinta tem novos habitantes.
Mãe e filho. Nya e Itashi.

The farm has new inhabitants.
Mother and son. Nya & Itashi.






da horta...


...para a mesa!

É das melhores coisas que se ganha quando se tem terra para plantar...
Não há como descrever o sabor das coisas que plantamos e colhemos.

Aqui nas redondezas...



Fiz este caminho pela primeira vez, num atribulado passeio de motoreta há uns meses atrás, enquanto os miúdos estavam na escola. Na velhinha Casal 2, que pertencia ao anterior dono desta quinta. Eu não andava de mota desde os 8/9 anos de idade - altura em que o meu pai tirou a carta de condução e deixamos de andar numa Sachs cross (onde cabiam 2 ou 3) para andar num Citröen GS boca de sapo de cor beje (isto em mil novecentos e troca o passo) -  por isso, eu diria que a experiência de voltar a andar em cima de duas rodas, com motor, foi uma experiência muuuuito divertida, apesar de atribulada! Como eu fui o "pendura" tive de desmontar e subir a pé, de cada vez que uma subida se tornava mais acentuada! Ainda não me aventurei a tentar conduzi-la...

Desta vez levei os pequenos, que estavam desejosos de uma nova aventura, e há alturas em que os limites da quinta se tornam demasiado pequenos para satisfazer certos exploradores!

Este foi o nosso passeio pelos caminhos que vão do final da nossa quinta e que passando por campos de vinhas e olival, entram na floresta, para cerca de meia hora depois chegarmos à estrada que passa na parte de cima da quinta. O Si quis levar a bicicleta, enquanto o Ju só quis correr, e eu... tive de correr atrás!







(lá no fundo passa o Rio Mondego)